quarta-feira, 2 de julho de 2014

Extremistas muçulmanos querem erradicar cristãos do Iraque

População cristã representa apenas 3% de todos os habitantes do país


O Iraque atravessa uma nova fase de instabilidade social e beira a guerra civil por conta de ações de extremistas muçulmanos que estariam planejando erradicar os cristãos do país. 
 
Nas últimas semanas, mais de 10 mil pessoas fugiram de comunidades predominantemente cristãs na região de Qaraqosh, cidade vizinha a Mosul, onde os membros do grupo ISIS (Estado Islâmico do Iraque e da Síria) invadiram e atacam violentamente os cristãos que não conseguem pagar um imposto de votação.
 
 
 


Os líderes comunitários dizem que os moradores de Qaraqosh fugiram de carro, ônibus e táxi na região do Curdistão, norte do Iraque. Muitos são mulheres e crianças. Eles agora estão vivendo com parentes ou em escolas e centros comunitários. Eles fugiram de última hora, com pouco tempo para trazer pertences com eles”, disse o Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, segundo informações do Christian Post.

Qaraqosh, também conhecida como Bakhdida, é uma cidade histórica assíria com 50 mil habitantes, a 30 quilômetros ao sudeste de Mosul, que é a segunda maior cidade do Iraque. Uma reportagem do jornal norte-americano The Wall Street Journal afirma que a maioria dos 50 mil habitantes de Qaraqosh fugiram quando os extremistas islâmicos da ISIS e as forças curdas Peshmerga entraram em confronto na última semana. “Ninguém ficou na aldeia. Foi um caos total”, disse um professor ao jornal.

“Agora, todos estes terroristas estão aqui de todo o Oriente Médio, e eles querem erradicar os cristãos. Não há mais ninguém para defender a igreja, e se eu tivesse a chance, eu ia sair também”, afirmou um guarda armado de 35 anos de idade que ficou para defender uma igreja na cidade.

No Iraque, os cristãos são minoria da população, somando apenas 3% de todos os habitantes do país. “Os cristãos são o elo mais fraco da sociedade iraquiana, e nós sempre advertimos que seríamos vítimas em qualquer disputa”, disse Bassim Bello, prefeito da cidade de Tilkif.

Um cristão cometeu suicídio em Mosul depois que sua esposa e filha foram estupradas por membros do ISIS na sua frente porque ele não pode pagar o imposto cobrado pelos extremistas islâmicos da ISIS.

Fonte: Gospel Mais / CPADNEWS

Pastor morre ao cair do telhado da igreja

Idoso caiu de uma altura de 3,5 metros quando consertava o telhado do templo


Um pastor de 65 anos morreu ao cair do telhado de uma igreja na cidade de Malhador, no estado do Sergipe.


De acordo com informações da Polícia Militar sergipana, na última segunda-feira, 30 de junho, o pastor Manoel Pereira dos Santos trabalhava num conserto do telhado do templo, quando caiu de uma altura de 3,5 metros.


O sargento da Polícia Militar Verionaldo Santana afirmou que as telhas não suportaram o peso do pastor e se romperam. Na queda, o pastor Santos não resistiu aos ferimentos e morreu no local.


As testemunhas do acidente acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), mas os socorristas não puderam fazer nada pelo pastor, de acordo com informações do site Infonet.


O serviço funerário municipal levou o corpo do pastor para o Instituto Médico Legal (IML), onde foi feita a autópsia.


O velório foi realizado na noite de segunda-feira e o sepultamento no dia seguinte.

Fonte: CPADNEWS

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Muçulmano turco se converte ao cristianismo

Ali Pektash entregou-se a Deus durante uma peregrinação a Meca


Muçulmano turco se converte ao cristianismoAo fazer uma peregrinação a Meca na tentativa de recolocar sua vida nos trilhos, um muçulmano turco acabou voltando para casa ainda mais transformado do que imaginava. Para surpresa de todos, inclusive de sua família, ele retornou para casa convertido ao cristianismo.
 
Ali Pektash sofria de alcoolismo quando seus amigos o persuadiram a fazer o Hajj (peregrinação) à cidade sagrada do Islã, com o objetivo de retomar o controle de sua própria vida. Seu destino foi a cidade sagrada para os Muçulmanos, localizada na Arábia Saudita. Além de ser um local sagrado para a religião que seguia, seus amigos acreditavam que a proibição do consumo de álcool no local também o ajudaria a se curar, junto com o ritual religioso.
Porém Pektash, que hoje é pastor, conta que sua vida foi mesmo transformada quando, no meio de sua peregrinação, foi alcançado por Cristo. Ele conta que Jesus apareceu para ele em um sonho depois de ele ter clamado para que Deus, se Ele existisse realmente, o ajudasse.
Ele revela que Jesus então lhe apareceu em sonho e tocou-o, dizendo: “Você acredita em mim agora; deixe este lugar”. Então, em seu retorno do Hajj, ele anunciou à sua família que havia voltado da peregrinação religiosa como cristão. Ele começou a chorar na frente de sua esposa e pediu perdão pela forma como ele a tinha tratado, demonstrando claramente uma mudança dramática em sua vida.
Posteriormente, ele começou um trabalho numa igreja em Ancara, capital, cuja liderança ele entregou recentemente a anciãos de confiança, a fim de iniciar um novo trabalho na Turquia oriental, onde foi criado.
Em uma conferência em Jerusalém chamada “At the Crossroads”, ele falou sobre aquilo que acredita ser sua missão. Pektash falou no evento sobre como Abraão é seu antepassado e como ele vê sua missão de ajudar a reunir seus filhos de Isaac e Ismael (filhos de Abraão por diferentes esposas).
"Nós temos um ministério muito importante, para reconciliar o mundo", afirma Ali, dizendo ainda que isso só pode ser feito através de Jesus Cristo.
 
Fonte: Gospel Mais / CPADNEWS

sexta-feira, 21 de março de 2014

Cristãos católicos e protestantes assinam acordo com muçulmanos

Objetivo é combater o tráfico humano e a escravidão moderna


Cristãos católicos e protestantes assinam acordo com muçulmanos
Uma força-tarefa antes inimaginável ganhou forma recentemente para combater a escravidão humana moderna. Cristãos católicos, protestantes e muçulmanos juntaram forças para dar início a um trabalho que prevê o resgate da dignidade humana e o fim do tráfico de pessoas.
Eles se juntaram numa iniciativa inter-religiosa e assinaram um acordo que prevê a erradicação do tráfico e da escravidão até 2020.
O acordo, assinado na última segunda-feira, 17 de março, criou a Rede Liberdade Global (RLG), que prega contra a “exploração física, econômica e sexual de mulheres, homens e crianças”, e estabelece um data simbólica mundial de oração pelas vítimas da escravidão, que hoje somam 30 milhões ao redor do mundo.
As diferentes denominações religiosas concordaram que poderão pressionar os governos a “fazer investimentos em medidas corretivas, se necessário”, para viabilizar a concretização da meta de erradicação da escravidão, estipulada para daqui a seis anos, de acordo com informações da agência Reuters.
O acordo proporcionou a reaproximação das partes envolvidas. 
 
Fonte: Gospel Mais / CPADNEWS