sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Imagens de satélite mostram cidades nigerianas destruídas pelo Boko Haram

Mais de duas mil pessoas morreram nos ataques realizados na semana passada


Imagens de satélite mostram cidades nigerianas destruídas pelo Boko Haram
A Anistia Internacional conseguiu imagens que mostram as aldeias das cidades de Baga e Doron Baga, na Nigéria, completamente destruídas pelo grupo terrorista Boko Haram.
As aldeias foram alvos de ataques na última semana, nessas áreas mais de 3.700 casas e escolas foram destruídas e mais de 2.500 pessoas mortas.
O satélite mostra imagens feitas antes e depois dos atentados. A primeira imagem, antes do ataque, mostra em vermelho árvores e edifícios de Baga e Doron Gaba, cidades densamente povoadas no norte da Nigéria.
Após o massacre as imagens mostram que os pontos vermelhos foram simplesmente dizimados, deixando apenas áreas cinzas.
“Enquanto corríamos para nos salvar, cruzávamos com muitos cadáveres de homens, mulheres e até de crianças. Alguns tinham ferimentos de bala na cabeça, outros tinham as pernas atadas e as mãos presas atrás das costas”, disse o motorista Ibrahim Gambo ao Daily Mail. Ele sobreviveu ao tiroteio em Baga, mas não tem informações sobre sua esposa e filha.
O pesquisador da Anistia Internacional, Daniel Eyre, acredita que este foi o maior e o mais destrutivo ataque do Boko Haram. “Essas imagens detalhadas mostram a devastação de duas cidades em proporções catastróficas, tendo uma delas sido quase varrida do mapa em quatro dias”.
As autoridades nigerianas dizem que as vítimas desse ataque não passam de 150 pessoas, mas especialistas acreditam que mais de 2 mil perderam suas vidas. “Aqueles que conseguiram fugir não puderam voltar para enterrar os que morreram”, diz Eyre.
Fonte: Fonte: Gospel Prime / CPADNEWS

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

"Igreja Sem Paredes" ensina cristãos a orar nas ruas

Igreja Vida Real oferece alimentos e oração a população de rua


`Igreja Sem Paredes´ ensina cristãos a orar nas ruas
Dois anos atrás, os pastores Reggie e Ibelsa Stutzman, da Real Life Church (Igreja Vida Real), localizada no bairro no sul do Bronx, em Nova York, viram muçulmanos orando publicamente. Isso mexeu com eles. Como é costume em países muçulmanos, quando chega a hora de uma das suas orações diárias, os fiéis islâmicos param suas atividades e no lugar onde estão, ajoelham e passam a declamar a oração em árabe, fazendo movimentos pré-determinados por sua religião.
Eles contam que sentiram-se cobrados por Deus a manifestar publicamente a sua fé cristã. Em 2013, organizaram um evento de oração no Bronx, bairro conhecido por sua violência urbana. Cerca de 300 pessoas se ajoelharam na rua por uma hora, intercedendo pelos moradores da região. Repetiram o evento em outubro de 2014, com 200 pessoas. Para eles, não há dúvidas do efeito disso no mundo espiritual.
“As pessoas que passavam sentiram o Espírito Santo e alguns aceitaram a Cristo como Salvador”, lembra Ibelsa.
O casal pastoral é conhecido pelo ministério que chamam de “Igreja Sem Paredes”, pois reúnem os cerca de 50 participantes da Real Life Church por vezes no Centro de Recreação de Hunts Point. Outras vezes, fazem cultos ao ar livre, como os eventos em prédios da região, normalmente malcheirosos, cobertos de pichações e que servem como ponto para venda de drogas e sede das gangues.
Eles se reúnem na frente desses prédios, fazem um período de oração, cantam hinos e depois oferecem aos moradores refeições quentes e se dispõem a ajudá-los a fazer consertos nos apartamentos. Já chegaram a distribuir 500 refeições num único dia.
Em dezembro de 2014, distribuíram roupas e 200 caixas de sapatos contendo brinquedos e doces para as crianças. “Deus está trazendo luz para as trevas”, diz Reggie. “Durante um desses cultos, 21 moradores do prédio aceitaram ao Senhor.”
Entre as outras ações da igreja está visitar prostitutas nas ruas, levando uma palavra de conforto. “Eu vejo a desesperança em seus olhos e quero dar-lhes a esperança de Cristo”, diz Ibelsa. “Eu digo que elas não estão sozinhas e que o Senhor quer encontrá-las onde elas estão.”
Esse tem sido o lema da igreja. “Nós mostramos o evangelho e vamos até onde as pessoas estão”, diz o pastor Reggie. Antes de iniciar esse trabalho com a Real Life, Reggie já era conhecido e respeitado nas ruas do Bronx por causa do trabalho que fez com a Missão Evangélica Bowery por mais uma década.
“Deus colocou um amor por esta cidade no meu coração e aprendi a amar as pessoas que vivem em meio a bagunça”, diz ele. E a “bagunça” é grande. Seu bairro possui um dos mais altos índices de criminalidade, pobreza e desemprego dentre as maiores cidades dos EUA.
Nos últimos três anos, a Real Life recebeu equipes de voluntários de outras igrejas, que os ajudaram a realizar Escolas Bíblicas de Férias. A cada edição cerca de 500 crianças foram alcançadas. Desde o início desse trabalho missionário, batizaram cerca de 60 pessoas.
Seu próximo plano é a aquisição de um local de culto permanente. No momento, a igreja está orando pela compra de um antigo clube de strip tease. O valor é US$ 1 milhão. Os Stutzmans estão esperando por mais este milagre. Com informações de PE News
Fonte: Gospel Prime | / CPADNEWS

Cristãos indígenas colombianos são expulsos de sua comunidade

Famílias expulsas se recusaram a renunciar à fé cristã

Fonte: Portas Abertas Internacional | 15/01/2015 - 12:00

Cristãos indígenas colombianos são expulsos de sua comunidade
Sete famílias cristãs da comunidade indígena Arhuaco, na cidade de Santa Marta, foram deslocadas pelas autoridades tradicionais porque se recusaram a renunciar à sua fé em Jesus.
Após serem obrigados a abandonar suas casas, eles chegaram a um lugar onde outras 23 famílias desabrigadas vivem. Essas pessoas foram expulsas de suas terras em 2011, porque, assim como eles, escolheram se tornar cristãs e obedecer aos mandamentos de Jesus.
Entre essas 30 famílias há quase 300 pessoas, incluindo 150 crianças, 20 idosos e 10 mulheres que foram deixadas por seus maridos quando decidiram seguir Jesus. Todos têm exigido atenção médica porque estão doentes devido às condições que estão sendo obrigados a viver.
A Portas Abertas falou com uma cristã local; ela afirmou que as autoridades pressionam os jovens a renunciar à sua fé em troca de dinheiro. Ore por esses irmãos, para que sua confiança, fé e esperança no Senhor sejam fortalecidas e Deus os proteja dos perigos e ameaças.
Fonte: cpadnews